terça-feira, 20 de maio de 2008

FLOR BRANCA

FLOR BRANCA
Oswaldo Antônio Begiato

Que você nunca se aparte
Da delicada orquídea branca
Que traz em seus cabelos;
Pedra rara em jóia única.

Que você nunca ceife
Seus cabelos alongados
Que lhe cingem a cintura;
Mistério feminino do existir.

Que você nunca negue
Sua cintura às minhas mãos;
Elas ainda têm o brando perfume,
Da orquídea branca que lhe ofertei.

Que você nunca se aparte
Da imaculada orquídea branca
Que traz em seus cabelos;
Insígnia de meu devotamento.

3 comentários:

Ana Mel disse...

Ela... a primeira orquídea que entrou em minha vida, colhida pelas tuas mãos de Poeta.
Ela... que não tem máscara, medo ou intenção...
É alva como a tua pele , nascida quando o sol ainda dormia.
É pureza que me ofereceste nua, fresca, ardente e bela...

Helena Castelli disse...

Que você nunca se aparte da delicada orquídea branca, alva como tua pele, nascida quando o sol ainda dormia.

Vim deixar meu carinho!
Helena

Taty Reis disse...

Olá Oswaldo, o meu nome é Tatiana, sou uma baiana, estudante de direito e tenho um blog de moda.Quando lê o seu poema me apaixonei e acabei pegando emprestado para postar junto com uma peça que crie,tomei a liberdade também de divulgar o seu link para os meus leitores conhecerem mais sobre a sua arte.Caso tenho o interesse de ver como ficou o nosso trabalho junto acesse ao meu blog: http://terestilobarato.blogspot.com

Bjs!