sábado, 1 de janeiro de 2011

FRANZIMENTO


FRANZIMENTO
Oswaldo Antônio Begiato
 
Com precisão
a indignação
é revelada pelo
franzimento da testa,
vociferadora severa
contra a iniquidade.
 
Por onde andam
a cesta de pão,
o litro de leite,
a festa feita,
o médico do caso,
o médio prazo,
o livro certo,
a escola aberta,
a escolha do chão?
 
Por onde anda
a terra prometida,
da qual fluirá
leite e mel?

5 comentários:

Mila Lopes disse...

Foi entregue aos homens que escolhemos, mas eles estragam nossa terra...

"Que neste novo ano algo de bom possa fluir desta terra verde amarela..."

Bela poesia

Bjs

Mila

Isa disse...

Bom Ano,para si,meu Amigo,meu Poeta,
para a sua Família e para o seu Povo.
O rosto expressa sentimentos que nem sempre podemos ou queremos dizer por palavras!
Como entendi a mensagem!
Quanta"revolta" nesse "franzimento"!
Às vezes penso se quem nos governa ñ
sentirá o "peso" dessa "reprovação"!
Beijo.
isa.

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Oi meu querido poeta! Quanta sabedoria em seus versos.Que 2011 seja de paz, alegria, renovação interior para todos nós.
Feliz Ano Novo para você e sua família.
Um abraço, Neneca.

Anônimo disse...

Querido Begiato...
vim te fazer uma visita e gostaria de te dizer que o teu Blog está cada dia mais gostoso de navegar por ele.
Beijos e sucesso

Hellen disse...

Por onde anda, amigo?
Anda no nosso, só nosso pensamento...
E de quem pode mudar algo nessa situação, nunca fará sequer de longe parte...
É amigo, vim fazer parte dessa sua indgnação...
Onde iremos parar?
Abraço