segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

PRESENTE DE NATAL


PRESENTE DE NATAL
Oswaldo Antônio Begiato

É assim:
- Arrumando uma caixa velha minha,
esquecida em um canto do meu guarda-roupa,
achei este último exemplar virgem
do meu primeiro livro de poesias,
escrito com minhas mãos ingênuas,
feito artesanalmente e que tive,
quando de sua visita à minha casa,
oportunidade de lhe mostrar.

Houve uma promessa guardada,
até hoje, em minha memória cansada.

Ele está velho,
carcomido pelo tempo, pelas traças
e pela simplicidade de um moço
que ainda sabia amar.
É o penúltimo que sobrou
dos poucos que minhas economias suportaram pagar.

Não sei se estou dando valor maior
- certamente estou -
do que tem o livro que sequer nome ganhou,
mas para mim é uma preciosidade,
pois sei apenas o destino deste agora
e daquele que lhe mostrei, cuja guarda tenho
(era de meus pais e o recebi de volta
por ocasião do falecimento deles
e por força de um testamento tácito).

Mando-o pela costa veloz do Noel.

Se não gostar, pode jogar fora,
ou me devolver.
(em nenhum caso ficarei chateado).
Se guardar ser-lhe-ei eternamente grato.

É tudo o que esse pobre bardo pode lhe dar neste Natal,
na vã tentativa de retribuir modestamente
as muitas delicadezas que me fizeste.

3 comentários:

Milene Sarquissiano disse...

Quem o recebeu??

Muito delicado. E belo, como tudo o que vem de ti.

Milene

PONTAS DE ESTRELAS...PALAVRAS AO VENTO disse...

Esse poema é mto lindo,suvae,carregado de emoção..seu blog é um jardim onde reinam flores raras de sua maravilhosa inspiração...a vc,poeta,minha eterna admiração..bjos poéticos
Regy

franpefa disse...

Quanta singeleza!!!Coisa linda de se ler!