sábado, 23 de janeiro de 2010

COLAR


COLAR
Oswaldo Antônio Begiato

Ajuntei aqui e ali algumas pedrinhas
Que encontrei perdidas pelo chão
Enquanto meus passos se apagavam de ti:

-Uma esmeraldinha pálida de susto
Com as quinas quebradas e cheias de limo
Por conta de um amor desesperançado;

- Um rubi, cor de rosa e já escangalhado,
Com as veias vazias e o coração mudo
De tanto amar intensa e inutilmente;

- Uma safira querendo embranquecer,
Opaca pelo passar de mão em mão
Que lhes foram deixando sem o olhar intenso.

Com elas fiz este colar, amarrado com tristeza,
Que agora te entrego às portas de minha partida:
- Deixo-o para ti como prova de minhas saudades.

Comigo levo apenas aquele seixo rolado pequenino
Por mim recolhido de dentro de tuas águas passadiças,
Onde vou repousar minha cabeça livre e leve e sem sonhos.

3 comentários:

Mel Redi disse...

POEMA LINDÍSSIMO!! PARABÉNS POETA! Ab Mel

Daniel Dragomirescu disse...

Interesting poem, original literary creation.
The editorial team of CONTEMPORARY LITERARY MAGAZINE invites you to contribute with your writings to the journal.
Daniel D. PEACEMAN, writer and editor
E-mail: drgdaniel@yahoo.com

Flor ♥ disse...

Conseguiste garimpar versos luminosos...

Bjs.