quinta-feira, 16 de setembro de 2010

CANTIGA DE NATAL


CANTIGA DE NATAL
Oswaldo Antônio Begiato

Quando o natal vem chegando
meus vácuos, prole da infância,
se enchem de Avenida Paulista,
de formas e lâmpadas surreais,
de presépios sobre-humanos,
de presentes multiangulares,
de Boas Festas de Assis Valente...

Todo ano, no mês de dezembro,
com as preces cheias de vitrines
e de dúvidas sobre um céu ouvidor,
desperta em mim a criança viva
que nunca fui. Que nunca vi.

6 comentários:

Helena Castelli disse...

Meu querido Poeta... que falta voce me faz!...

Deixo-te a ternura de um abraço.

Isa disse...

Meu Poeta,quanta saudade triste desses Natais de menininho".
E quantas vezes a criança que ainda somos...olha o céu e ñ recebe resposta?!
Beijo.
isa.

Sil disse...

Encanta-me sua cordialidade e os seus versos...
Uma semana de paz para todos nós!
Com o afeto dos meus beijuus...
Sil

M@ria disse...

Lembrar é fácil para quem tem memória,
esquecer é difícil para quem tem coração.

(William Shakespeare)

Uma semana abençoada e Feliz!! M@ria

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Olá Oswaldo querido!
Também tenho muitas saudades dos natais de outrora.
Sempre encantada com seus poemas. Adorei sua entrevista na Comunidade do Antônio.
Um beijo amigo!

"Cantinho Poético" disse...

SELINHO PRÁ VOCE!! PEGUE AQUI!!
http://ocantinhopoetico.blogspot.com/

Beijos Meussssssssss**************M@ria