segunda-feira, 16 de agosto de 2010

BLEFES


----------------------> O Menino da Lágrima, de J.Bragolin


BLEFES
Oswaldo Antônio Begiato

Não consigo gostar
desse jogo de baralho
onde abundam
sotas de ouro,
valetes de paus,
e blefes insólitos.

Enquanto ás de espadas
eles se acomodaram
dentro de uma cesta,
na hora da sesta,
sexta passada.

Macambúzio e rei de copas,
vou me mandar
para São José dos Ausentes
onde o frio é intenso,
o amor também
e não tenho parentes.

E que me tragam
uma jovem virgem
(ela chegará virgem
e virgem partirá)
para me aquecer,
dentro de uma cesta,
na hora da sesta,
sexta que vem,
feito Davi, o rei,
na sua velhice.

Não quero mais chorar de frio.

6 comentários:

Isa disse...

Meu Poeta Amigo,o realismo da sociedade,num aparente baralho de cartas!
Fuga? Desejo de mudança duma sociedade dominada por reis de baralho?
Beijo.
isa.

Dolores Quintão Jardim disse...

Poeta e amigo,permita assim o chamar..

Sempre é muito bom passear por esta sua linda casa..

Obrigada,por tanta maravilha...

Beijinhos

POESIA CÁ E LÁ disse...

Caro poeta,bom dia!!
Começando o dia absorvendo muita poesia por aqui.
Como é bom!!!


Beijo ternurento
Clau Assi

M@ria disse...

Não me negue as flores,
pois, tiro delas a minha essência!
seu perfume, é minha inspiração...
seu colorido, é minha alegria...
sua beleza, é minha vida!

Jacira Cardoso

OBS: Leve este mimo que te ofereço com muito carinho.....M@ria

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Bom dia querido Oswaldo! A sua falta no orkut é compensada por este lindo recanto, onde venho matar um pouquinho a saudade.Aqui sinto em suas poesias a beleza de sua alma.
"Blefes" nos traz uma riqueza de metáforas, onde retratam a natureza humana precisando de mudanças.
Um beijo carinhoso!
Neneca

Carmen Regina Dias disse...

rssss

adoro poesia que me arranca da
melancolia para saudar breves
palavras, breves versos
em dia de sol de renúncia.


é o céu.