domingo, 1 de junho de 2008

TEATRO AMADOR

TEATRO AMADOR
Oswaldo Antônio Begiato

Tenho por máscaras
Um fascínio incontrolável.

Será que guardo
no meu mais profundo abismo
um desejo de teatro?

Ou será que a Verdade
amarga a minha imagem crua
e me mete medo?

O que quero eu revelar,
o que quero eu negar,
se a máscara que uso
é cópia fiel de meu rosto roto?

3 comentários:

ana wagner disse...

Aqui o poeta mostra a dualidade de sua essência Um poema franco e belo. Wado! Amei!
Beijos,
Ana W

Transletrando disse...

Deixei esta reposta lá no seu comentário, caro poeta.

" Querido Oswaldo, fico sem palavras. Você, poeta, é mais que poeta como digo, maior, pois para sê-lo, óbvio, há que habitar-te uma alma linda, um Lord de verdade.

Grande honra a minha, certamente uma vitória de realeza sua amizade, e suas palavras para este simples trabalho meu."

beijo na alma.
Tânia

Sél disse...

Gosto muito de uma frase que está "ad aeternum" no meu perfil no orkut -
"Tire a máscara ao entrar, por favor..."
Lendo sua poesia imediatamente me lembrei dessa frase.

Ideal é usarmos nossas máscaras verdadeiras, rotas e gastas...que seja!
abraços