sábado, 23 de junho de 2012

GABRIEL


GABRIEL
Oswaldo Antônio Begiato

Gabriel, menino dos cabelos cacheados
Como ondas de um mar desejado
Onde outros meninos surfam tranquilos
Em pranchas feitas de presente e meiguices,
Vem e deixe-me abrigar em teu colo farto
E te devolverei a pipa que nunca roubei de ti.

Gabriel, menino dos olhos adultos
Cheios de uma inquietação infantil
Onde eu, homem, aprendo a ser menino,
Não se preocupe com o raio cruel e ruidoso
Que queimou a televisão velha e cansada
No dia em que a chuva te fez adormecer.

Gabriel, anjo de novo encarnado, aqui bem perto,
Na pele doce herdada do cantador negro e luzidio
E da branca mãe que zela pelos teus tenros passos,
Vem, deixe-me adormecer no teu colo, ouvindo a chuva
Sem que eu me amedronte com os trovões e os raios.
Vem Gabriel, vem velar o meu sono atribulado!


2 comentários:

isa disse...

E Ele visitou tua casa trazendo-lhe Marina,esse doce querubim.
Belo Poema,meu querido Amigo,meu Poeta de encantar.
Bom domingo.
Beijo.
isa.

Marluce Aires disse...

Como é belo seus poemas, Begiato. Um bom dia para ti, e pra todos que te amam.