segunda-feira, 14 de maio de 2012

RESMUNGO


RESMUNGO
Oswaldo Antônio Begiato

Enquanto inocente,
Repetia palavras pequenas.

Enquanto apaixonada,
Repetia palavras fêmeas.

Enquanto enferma,
Repetia palavras resignadas.

Enquanto bêbeda,
Repetia palavras disparatadas.

Enquanto ensandecida,
Repetia palavras insensatas.

Enquanto poeta,
Repetia palavras novas.

Alheia de si, nada mais resmunga,
A não ser palavras sintéticas.

Um comentário:

isa disse...

Bom dia,Poeta e meu Amigo!
Sabe,é disso que tenho medo:um dia
"alhear-me" e as palavras só terem sentido para mim...
A realidade em forma de bela Poesia,
focando cada etapa da Vida!
Beijo.
isa.