terça-feira, 16 de novembro de 2010

CARA CARÍSSIMA



CARA CARÍSSIMA
Oswaldo Antônio Begiato
 
Quando eu nasci
disseram pra minha mãe
que eu tinha cara de joelho.

Quando adolescente
diziam que eu tinha uma cara
nas minhas espinhas.

Agora que envelheci
dizem que precisam afastar minhas rugas
para poderem enxergar minha cara.

Desconfio que nunca tive uma cara de verdade.

5 comentários:

Isa disse...

Sua cara,seu rosto,Poeta querido e Amigo,é em forma de coração!
Terá sido isso que sua Mãe pensou,
estou certa!
Tem a forma alada da Poesia!
Só! Assim mesmo!
Beijo.
isa.

Nas Asas da Poesia disse...

" Muitas vezes ...
Esquecemos de reciclar nossos sentimentos
De esvaziar as gavetas da Alma
De abrir as janelas
E deixar o sol entrar "

=- Bruno de Paula -=

BOM FDS..........Beijos meus! M@ria

M@ria disse...

Surpresa meu pensamento tocou
a sua face refletindo um silencio
uma paz, que não conhecia
fotografei para revelar a tua alma

Aharon

Bom FDS...Beijos de coração prá coração! M@ria

Martha Helena disse...

Li e fiquei sorrindo sozinha...poesia inteligente e humorada...ingredientes certos para meu momento.
Agradeço encantada.

Serena Flor disse...

Quem de nós pode realmente dizer que tem uma cara de verdade?
Somos tantos rostos não é mesmo?

Amei este poema meu querido amigo e vou levá-lo pra presentear meus amigos no Orkut(por falar nisto, ando com saudades de você por lá...tudo ficou mais triste sem ti)
Um beijo imenso meu querido amigo poeta!