quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

PRECAUÇÃO


PRECAUÇÃO
Oswaldo Antônio Begiato

Tenho sido terno:
- Dor, tristeza e solidão.
Dos três conjunto de um só,
Único me fiz muito terno;
Um trio que inspira dó.

Tenho sido posto:
- De saúde, no quartel
Tenente-coronel sem divisa;
Deposto nunca mais fui posto
No meu devido lugar.

Tenho sido rima:
- De restos putrefatos,
Lixo sem coletora mecânica;
Poeta não sei de rimas
Que não tenham identidade de sons.

Tenho sido andejo:
- Vontade cobiça e desejo
Num andamento desvairado
Procurando rimas postas
E um terno para ser enterrado.


Que eu seja vivo enquanto o terno seja nós dois:
- Calça e paletó.

3 comentários:

Isa disse...

Nem sempre comento...é certo!
Mas sempre me encanto...
Beijo.
isa.

Dolores Quintão Jardim disse...

Maravilhoso poeta!

Sempre belo!!

Parabéns...

Maria Valéria Revoredo disse...

Que você seja vivo sempre, pois com teus poemas - maravilhosos que são - não terás sossego, meu terno.Teus poemas são parte do eterno! Rimou... Beijos sempre.