quinta-feira, 6 de agosto de 2009

PURA E SIMPLES


PURA E SIMPLES
Oswaldo Antônio Begiato

Eu poderia vir aqui
e olhando dentro da tua inusitada alma
dizer que você é mais bonita
do que o avental pintado à mão
que minha mãe colocava aos domingos,
quando se preparava para fazer o nosso almoço,
em frente ao fogão à lenha.
Foi minha primeira visão de suavidade!

Eu poderia vir aqui
e olhando dentro de tuas meiguices raras
dizer que você é mais bonita
do que a gravata borboleta azul marinho
que meu pai, orgulhoso de sua fé
e orgulhoso da fé que imaginou que eu tivesse,
enfeitou meu pescoço
quando fiz a primeira comunhão.
Foi minha primeira visão de santidade!

Eu poderia vir aqui
e olhando dentro de teus lugares ocultos
dizer que você é mais bonita
do que a doída canção “Santa Lucia”
que meu avô ouvia sua gente cantar nos casamentos
e chorava e soluçava e se lembrava da Itália
de onde tinha partido muito moço com o coração partido.
Foi minha primeira visão de saudade!

Eu poderia vir aqui
e olhando dentro de teus olhos rimados
dizer que você é mais bonita
do que o soneto de Vinícius de Moraes
com que minha primeira namorada,
equivocadamente apaixonada,
fez a dedicatória no livro que me deu de presente,
quando demos o nosso primeiro beijo.
Foi minha primeira visão de eternidade!

Mas escolhi dizer:
- Você é linda!
Puramente.

3 comentários:

Serena Flor disse...

E eu poderia vir aqui e depois de ler estes poemas, dizer que eles são mais lindos que uma tarde primaveril onde as flores lindas e perfumadas do jardim nos dão o exato sentido da beleza, mas prefiro simples e puramente dizer-te que são raros teus belos poemas.

Um grande beijo e uma semana de muita poesia pra você Oswaldo.

Fernando Campanella disse...

Bom dia, meu amigo. Fiz uma visita aqui, e aproveito pra te enviar meus parabéns pela seriedade do trabalho que fazes. Recebi um poema teu hoje, por uma amiga, que muito me tocou pela profundidade e verdade. Eis o comecinho:


INCÔNSCIO
Oswaldo Antônio Begiato

Há pessoas que amam
tão intensamente nossos inversos
deixando-os, para quem os vê de fora,
parecidos com a ilusória linha reta
por onde caminham nossos pés tortos,
por onde caminham os desejos de nossos corpos...

Pura verdade, o amor tem a compreensão mais ampla, e tem os olhos vendados, ama, ama, sem teorias, sem porquês.

Grande abraço.

Selma disse...

Olá Oswaldo! Aqui estou eu, mais uma vez contemplada e arrebatada pelas suas palavras. Obrigada por me permitir vivenciar estas suas poesias simples e de um saber tão profundo que toca nossas almas.
Tenho muito a ler ainda e a vontade é de ficar por aqui em puro deleite. Mas a vida corrida me chama e até agradeço a ela pois assim posso me alimentar aos poucos destas tuas palavras preciosas...
Um grande abraço!
Selma