terça-feira, 12 de maio de 2009

O POETA EM SI


O POETA EM SI
Oswaldo Antônio Begiato

Enquanto vela
Me velas.
Enquanto chama
Me chamas.

Defunto obtuso de mim mesmo,
Lacro minha boca cheia de perguntas
Com um silêncio quase eterno.

Há, contudo, um vulcão dentro de mim
Que se torna eruptivo quando tua boca
Toca levianamente este meu silêncio.

E teus beijos impregnados de fogo,
Sob as luzes da vela quase impassível
Vindas da chama quase efêmera,
Ressuscitam os versos que não posso enterrar.

7 comentários:

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Olá Oswaldo! Versos profundos!
É no silêncio que muitas vezes encontramos as respostas.
Tenha uma linda tarde! Beijos amigo!

maisriana disse...

Maravilhoso e real. Adorei!

REGGINA MOON disse...

Oswaldo,

Maravilhosos Poemas!
Seu Blog tem um encantamento, aliado a belas postagens e fico muito feliz em ter a oportunidade de estar a conhecê-lo!
Parabéns!

Reggina Moon
Verso e Prosa

Não tens lista de seguidores?

maisriana disse...

Oi, Oswaldo.
Obrigada pela visita! Fiquei muito feliz com o que disse. Linkarei seu blog.

Beijo.

Aninha disse...

Teu blog tem um poço sem fundo de amores e encantamentos, delicadezas e romance! Fico orgulhosa de ter um amigo tão talentoso. Tudo que você escreve tem sua luz interior!
Beijos, Poeta!

Aninha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aninha disse...

Desculpe! Postei em dobro.