terça-feira, 4 de novembro de 2008

ATRÁS DA PORTA


ATRÁS DA PORTA
Oswaldo Antônio Begiato

Venho com as sandálias gastas.
Meio atabalhoado,
Meio apoquentado,
Meio trôpego,
Meio encabulado,
Meio sistemático,
Meio ensimesmado...

Venho pela metade e pelas bordas,
Faltando-me coisas sérias;
Não trago flores,
Nem luvas de pelica,
Nem o estandarte de Santo Antônio,
Nem correntes de ouro,
Nem a pena colorida do tiê-sangue,
Nem seixos do rio Jordão...

Venho trazendo, com parcimônia,
Em minhas mãos fatigadas
De versos de amor escrever,
Os meus últimos e inermes versos.

Escrevi-os com minhas certezas trêmulas,
Com letras esquecidas e quase ilegíveis,
Em um papel escuro de rascunho
(Antigo manto do pão que juntos repartimos).

Mas escrevi-os para te dizer o quanto te amo,
E te amo mesmo.

Amo-te com a minha insurgência mergulhada
Em uma despedida infindável
E com o meu temor encharcado
De um adeus petrificado
Nos ângulos retos de uma dor aguda.

Saiba, o meu amor se agoniza a cada palavra ríspida,
E ressurge a cada sorriso tênue,
E morre a cada gesto rude,
E ressuscita a cada beijo desleixado,
E me esgota os olhos a cada lágrima inútil.

Escrevo-os últimos por não mais poder
Continuar a escrevê-los, por falta de dor.
Escrevo-os últimos
Pelo amor imenso que se perdeu de ti.
Que sejam minha oferta mais delicada
Nessa cerimônia pagã de adeus.

Não quero estes meus versos
- Sempre pedaços preciosos do meu fim -
Retalhos de teu pensamento
Que escapa de mim e se aloja na distância,
Onde não posso tocá-lo com meu perfume.

Receba-os, não como armadilha que te preparo,
Mas como troféu com o qual poderás enfeitar
Tua sala de estar
E afastar de ti o pó que deixei cair de minha presença.

São versos pequenos e curtos
E pálidos e tímidos
E precários e insensatos...
Que mal te farão cócegas nos sentimentos,
Por isso não dê mais importância a eles
Do que eles merecem.
Não dê mais importância a eles
Do que darias a mim.

Receba-os sim, como paga irrisória,
Não pelo amor que me devotaste,
Mas pelo amor que pude sonhar.
São moedas singelas esses meus versos,
Moedas antigas de um bronze de péssima qualidade,
Incapazes de saldar qualquer carícia;
Mas lapidei esses versos
Com tanto ardor
E com tanto primor
E com tanto amor
E com tanto sabor
Que por certo
Algum peso haverão de ter.

E se peso algum tiverem,
Receba-os pela leveza com que saíram
De minhas fornalhas internas.

Assim sentir-me-ei quites contigo,
Retribuindo o indescritível torpor
Que pude sentir enquanto te amei
E enquanto sonhei que poderia ser amado
Por ti.
Embora soubesse que tudo não passava
De um adorável engano.

Fui feliz te amando,
E te amando não me importei
De ser amado.

Mas quero que saibas por mim
(Antes que alguém desavisado te faça ver
Antes de mim
E te faça minguar de saudades):
- Jamais verás, com quem quer que seja,
Elis Regina chorando
E cantando “Atrás da Porta”.

9 comentários:

cristine disse...

Parabens meu querido poeta,como sempre suas poesias uma grata surpresa,que Deus te abençoe cada vez mais...

beijos de sua amiga que te ama muito

CRISTINE(SOL)

Meus Riscos disse...

Meu Amigo..Irmão... Poeta
Você é o máximo em tudo que escreve...sabe que sou apaixonada por seus escritos.
Todos são lindos de doer.
Te Amo Meu Irmão de Alma

ana wagner disse...

Que impacto ler tão lindos versos e ver tua alma escancarada neles!
Fiquei extremamente emocionada...
Na verdade fiquei sem palavras para
comentar. Te adoro mocinho! O sucesso
te espera em cada esquina da vida.
Um beijo muito afetuoso Poeta!

Ana W

karla Julia disse...

Atrás da Porta, me remete à poesia desse de Oswaldo Begiato, feita de versos contundentes, de pancadas do inesperado, que nos pega desprevenidos, e que mexe com nossas emoções e nos vira pelo avesso.É um vôo que nos libera de nossos pre-conceitos, nos fazendo imergir em puro sentimento.
beijos querido Oswaldo
da sua amiga
Karla Julia

soumpoema disse...

magnífico teu espaço, poeta ...magnífica tua poética de despedida e a profusão que despenca de tua alma! Grata pelo convite, estou deixando pegadas ... beijo

Maithê disse...

Lindo poema.
Não saberia me expressar sobre ele...do jeito que você merece.
Então como hoje é o Dia do Escritor,venho aqui te deixar todo o meu carinho e admiração por ti.
Teus poemos encantam minha alma.
Obrigada por você existir.
Você á ESSENCIAL.

PARABÉNS PELA PASSAGEM DO DIA DO ESCRITOR.VOCÊ ESCREVE LINDAMENTE.

Valquíria Cordeiro disse...

Wado, é impossível ler você e não se emocionar, é impossível !Estou aqui a tempos, e não consigo sair , porque fico maravilhada, com sua sensibilidade, e carinho, com sua magnetude ..Ai! Você é meu poeta preferido sem dúvida! Flas com a alma,
e isso me encanta demais!

besos nessa alma linda de poeta que eu amo.

Silvia Kerner disse...

Amado, parabéns mais uma vez (e sempre) pela obra prima. Linda !!!

Bjs

Sao disse...

Amadinho.......
Adorei sua dramática poesia...
Penso q vc é uma pessoa sensibilíssima e q "Atrás da sua porta" deve de ter
muita sementinha triste. Imagino q cada poeta tem sua maneira de ser... de sentir e escrever é claro. O seu estilo é... ,eu diria, quase q aflito, mas prende a atenção do leitor e
faz aguçar a curiosidade... faz a gente ir fundo nos sentimentos e querer constatar qual o
final da história, torcendo pra q
tudo acabe bem.
É isso!
Bj grde, fique bem!

Mari

*.*