domingo, 24 de outubro de 2010

REINÍCIO


REINÍCIO
Oswaldo Antônio Begiato

Como me pediste, farei restauro de tuas obras-primas,
As que o tempo deteriorou por tua falta de cuidado,
E nada cobrarei de ti por isso. Nem um centavo.

Uma condição imponho. Peço que não me cobres
Os olhos tristes que querias ver no meu rosto,
Retrato que são do pouco-caso que me fizeste.

Estão a sete chaves no vácuo de meu desprezo.

Não os darei a ti. Juro que não. Nem que supliques.

2 comentários:

Isa disse...

Bom dia,meu Poeta e Amigo!
O coração não tem restauro!
Sentimentos ñ se "colam",ñ se suturam,como a carne magoada.
Lindo e triste o seu poema!
Mas o Poeta é assim mesmo!Mostra e esconde.Esconde e desvenda,um pouco
apenas.
Boa semana,para si,Poeta dos sentidos.
Beijo.
isa.

Sél disse...

Para que mostrar "os olhos tristes"? Melhor deixar a dor quietinha, orgulhosamente escondida.^^
Me identifiquei. rsrsrs
bjs