quarta-feira, 25 de novembro de 2009

FORASTEIRA


FORASTEIRA
Oswaldo Antônio Begiato

Eu nasci mulher
E mulher vou caminhar.

Com meus olhos sagazes,
Com minhas sardas censuradas,
Com minha boca enfeitada,
Com meus seios valentes,
Com minhas coxas atrevidas,
Com meu sexo forasteiro...

Eu nasci mulher
E mulher vou caminhar.

Com minhas pernas próprias.
Com minhas pernas sóbrias.

4 comentários:

. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Milene Sarquissiano disse...

Ficou linda e muito forte a poesia.
Tens a sensibilidade apurada pra entender tão bem a alma feminina.
E a edição? Ficou show! És um artista

Poeta,és perfeito. E incomensurável no teu talento.

Amo ler-te.

Beijos e beijos...


*perdão,removi o comentário por tê-lo feito em conta errada

Helena Castelli disse...

Meu querido poeta... meu vicio bom...

Beijos meus, com carinho
Helena

Fetiche D´Amour disse...

Belíssima homenagem feita para essa mulher que sabe que ser mulher é bem mais, essa mulher delicada em sua força, ousada em sua fragilidade, mulher em todos os sentidos e formas.
Apenas uma lente sensivel conseguiria captar esses tons e transportá-los com palavras, para o reino da poesia.

Fiquei muito feliz com sua visita poeta.

Obrigada.